ONU: agricultura industrial não resolve fome, pobreza e aquecimento global

Notícia - 14 - abr - 2008
Relatório critica a excessiva industrialização e os transgênicos, e defende agro-ecologia para produzir mais e melhores alimentos.

Agricultores em Bangladesh praticam a agroecologia com bons resultados, mas sofrem a pressão da agricultura industrial.

A agricultura industrial e os organismos geneticamente modificados (OGMs) não são a solução para combater a fome no mundo, a pobreza e as mudanças climáticas, e os governos devem incentivar práticas agrícolas mais sustentáveis, como a agro-ecologia. É preciso trabalhar com a natureza para produzir mais e melhores alimentos. As conclusões são do Relatório Internacional sobre Ciência e Tecnologia Agrícolas para o Desenvolvimento (IAASTD, na sigla em inglês), elaborado por centenas dos melhores cientistas do mundo do setor.

O documento vem sendo discutido desde 2005 e foi ratificado em reunião realizada na última semana (de 7 a 12 de abril) em Joanesburgo, na África do Sul, por representantes de 60 países, que assinaram a versão final do texto, que pretende guiar as prioridades futuras de governos, agências da ONU e órgãos financiadores em relação à agricultura e desenvolvimento. O texto pode ser acessado aqui.

O documento recomenda também a adoção de pequenas propriedades e métodos agro-ecológicos como forma de se combater a atual crise alimentícia no mundo e suprir as necessidades de comunidades locais, declarando o conhecimento indígena e local tão importantes como a ciência formal.

Para o Greenpeace, o relatório é uma oportunidade história para substituir uma prática destrutiva por métodos que trabalhem com a natureza, não contra ela. O texto traz críticas contundentes às práticas agrícolas atuais e também à indústria de biotecnologia e seus transgênicos. Os Estados Unidos, Canadá e Austrália foram os únicos países presentes ao encontro (uma espécie de IPCC da agricultura) a não assinarem o documento, alegando ser ele 'desequilibrado'. Eles acusam os autores de não serem independentes, mas curiosamente só fizeram tais críticas agora, depois que o texto foi publicado - os três países participaram da escolha dos autores do documento.

"Esse relatório mostra que podemos produzir mais e melhor sem destruir a natureza e nossos recursos naturais. Soluções modernas decultivo trabalham a favor da biodiversidade, geram muito emprego eprotegem a natureza", afirma Gabriela Vuolo, coordenadora da campanha de Engenharia Genética do Greenpeace Brasil. 

"Esse relatório é um chamado para quegovernos e agências internacionais redirecionem e aumentem seusfinanciamentos para uma revolução na agricultura que é essencialmenteagro-ecológica.", afirma Benny Härlin, do Greenpeace Internacional, que participou do IAASTD.

O IAASTD é uma iniciativa do Banco Mundial em parceria com um grande grupo de organizações, incluindo a Organização para Alimentação e Agricultura da ONU (FAO), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (UNDP), Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP), Organização Mundial de Saúde (OMS) e representantes de governos, sociedade civil (como o Greenpeace), setor privado e instituições científicas de todo o mundo.

Leia também:

Conheça o papel da agricultura industrial no aquecimento global e as soluções existentes.

Entrevista com Marcos Palmeira: "Orgânicos são bom para a saúde e para o planeta"

Confira a nova seção de Consumidores de nosso site, com dicas, receitas e entrevistas com chefs de cozinha.

Romênia bane milho transgênico da Monsanto por falta de segurança 

Tags