Indústrias de alimentos dizem não aos transgênicos

Notícia - 20 - fev - 2003
Seara e Marba garantiram ao Greenpeace a ausência de transgênicos em seus produtos

Duas novas empresas foram incluídas hoje na lista verde do "Guia do consumidor - lista de produtos com e sem transgênicos" do Greenpeace. Este guia é a principal referência para o consumidor que deseja evitar o consumo de transgênicos. A Seara e o Frigorífico Marba uniram-se a outras 34 empresas que já oferecem produtos livres de transgênicos no Brasil.

"Esta é uma excelente notícia para o consumidor, que tem cada vez mais opções para evitar o consumo de transgênicos. A indústria de alimentos que adota controle para evitar os transgênicos está demonstrando o seu respeito pelo consumidor e pelo meio ambiente." afirmou Tatiana de Carvalho, assessora da Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace.

A Seara é uma das maiores empresas do país no segmento de aves e carnes processadas (presuntos, lingüiças, salsichas e mortadelas). O Frigorífico Marba também trabalha com carnes processadas, tendo uma produção diária de 200 toneladas de alimentos.

Embora o plantio, a comercialização e a importação de transgênicos estejam proibidos no país, as indústrias de alimentos precisam adotar medidas de controle para garantir que não estão comprando insumos derivados de plantios ilegais de transgênicos.

"Pequenas e grandes empresas, como a Superbom e a Sadia, já demonstraram ser possível realizar controle para evitar a contaminação por transgênicos. Não existe motivo para outras marcas, como a Danone, continuarem se recusando a oferecer garantias semelhantes", completou Tatiana.

Os transgênicos podem causar o aumento do uso de agrotóxicos e a perda de biodiversidade. Ainda não existe consenso na comunidade científica sobre a sua segurança para o consumo humano.

Confira a íntegra das cartas enviadas pela Marba e pela Seara. O Greenpeace lançará em maio a segunda edição do Guia do Consumidor, com a lista de empresas e produtos atualizada.