Arcor diz não aos transgênicos e entra para lista verde do Guia do Consumidor

Notícia - 25 - fev - 2008
Empresa de guloseimas, biscoitos e chocolates se junta a quem oferece produtos livres de organismos geneticamente modificados a seus consumidores.

O Guia do Consumidor do Greenpeace lista as empresas e marcas livres de transgênicos e aquelas que podem trazer em sua composição organismos geneticamente modificados.

O grupo Arcor, um dos líderes do mercado brasileiro de guloseimas, biscoitos, chocolates e alimentos, saiu esta semana da lista vermelha do Guia do Consumidor do Greenpeace, que relaciona empresas e marcas que podem fazer uso de matéria-prima transgênica em seus produtos. Ao todo, 12 marcas do grupo passaram da lista vermelha para a verde, juntando-se a outras 200 marcas livres de transgênicos que são vendidas no Brasil. Com a Arcor, agora são 110 empresas na lista verde do Guia do Consumidor.

A documentação necessária para comprovar que seus produtos não são fabricados com matéria-prima geneticamente modificada foi apresentada pelo grupo Arcor na semana passada.

"Parabenizamos a empresa por não usar transgênicos em seus produtos e também pela acertada decisão de deixar isso transparente", afirmou Gabriela Vuolo, coordenadora da campanha de Engenharia Genética do Greenpeace Brasil. "A decisão da Arcor mostra sua preocupação com o meio ambiente e também com o desejo de consumidor brasileiro."

O Guia do Consumidor foi instituído pelo Greenpeace em 2002 e desde então tem ajudado os consumidores brasileiros a se informarem sobre a real composição dos produtos vendidos no país. A lista ganha especial importância por conta do desrespeito das empresas à Lei de Rotulagem, que vigora no Brasil desde 2004. Desde então, apenas duas empresas - Cargill e Bunge - rotularam alguns produtos, e mesmo assim sob pressão de uma decisão judicial.

O Ministério Público de São Paulo, baseado em denúncia feita pelo Greenpeace em 2005, entrou no ano passado com ação civil pública na Justiça Federal exigindo que as duas empresas rotulassem os óleos de soja Liza e Soya, ambos produzidos com soja transgênica.

De acordo com a Lei de Rotulagem, todos os produtos fabricados com mais de 1% de matéria-prima geneticamente modificadas devem trazer essa informação no rótulo, por meio de um símbolo (um triângulo amarelo com um T no meio).

"As empresas têm desrespeitado o direito dos brasileiros de serem informados sobre o que estão comprando, tirando assim o seu direito de escolha. Isso está garantido pelo Código de Defesa do Consumidor e precisa ser respeitado", afirma Vuolo.


Leia também:

Milho transgênico é liberado, apesar de possíveis riscos à saúde e ao meio ambiente

Apesar da propaganda da indústria, mundo ainda prefere produtos livres de transgênicos