Greenpeace denuncia: produto da Nestlé contém transgênicos

Notícia - 31 - mar - 2003

Ativistas do Greenpeace foram hoje à sede da Nestlé, em São Paulo, comunicar o resultado de um novo teste que encontrou 60% de soja transgênica da Monsanto na ração para cachorros ALPO, da Purina. Esta é a maior quantidade de transgênicos já encontrada em um produto à venda no mercado brasileiro. O teste foi realizado pelo laboratório Genescan, em Itú (SP) (1).

"A Nestlé havia declarado que `não utiliza qualquer derivado de organismos geneticamente modificados em seus produto` (trecho da carta da Nestlé) (2), mas este resultado comprova que esta empresa está mentindo ao consumidor brasileiro", declarou Tatiana de Carvalho, assessora da Campanha de Engenharia Genética do Greenpeace Brasil.

No Dia da Mentira, o símbolo da Nestlé foi representado por três ativistas fantasiados de passarinho dentro de um ninho gigante, enquanto outros ativistas penduravam no prédio uma faixa vermelha com a mensagem "1o de Abril, Dia da Nestlé". A cor da faixa se refere à lista vermelha do "Guia do Consumidor - lista de produtos com e sem transgênicos", publicado pelo Greenpeace. A segunda edição do Guia, que será lançada em maio, novamente terá os produtos da Nestlé incluídos na lista vermelha, junto às demais empresas que não garantem ao consumidor produtos livres de transgênicos. Cópias do guia foram distribuídas aos funcionários da empresa e ao público no local (3).

"No Brasil, 34 marcas de alimentos já adotaram controle de transgênicos, demonstrando seu respeito ao consumidor e o meio ambiente. Não existe motivo para a Nestlé continuar se negando a fazer o mesmo", afirmou Tatiana. Segundo uma pesquisa de opinião, realizada pelo IBOPE em dezembro de 2002 em todas as regiões do país, 71% dos brasileiros preferem alimentos livres de transgênicos.

O Greenpeace já testou seis produtos da Nestlé (4) e, em todos eles, o resultado foi positivo. O resultado do último teste foi comunicado à empresa no dia 21 de março (5), mas a Nestlé ainda não se comprometeu com o recolhimento do produto. O laudo do laboratório foi encaminhado à ANVISA (Agência Nacional da Vigilância Sanitária), às Agências da Vigilância Sanitária Estaduais e ao Ministério Público Federal, junto com uma carta que requer o imediato recolhimento deste produto das prateleiras dos supermercados, uma vez que sua comercialização está em desacordo com a legislação vigente.

Notas:

(2) Confira o laudo do teste feito com a ração Alpo.

(2) Veja a carta da Nestledeclarando que não utiliza transgênicos.

(3) Consulte o Guia do Consumidor (também disponível download).

(4) Confira os laudos dos produtos da Nestlé testados anteriormente.

(5) Veja a carta enviada à Nestlé pelo Greenpeace.