Arroz-bomba agita feira de transgênicos na Tailândia

Notícia - 6 - nov - 2007
Voluntários do Greenpeace instalaram falsas bombas-relógios no primeiro encontro da indústria de biotecnologia do país asiático em defesa de uma agricultura livre de organismos geneticamente modificados.

O arroz é o alimento básico mais consumido no mundo.

Voluntários do Greenpeace agitaram na quarta-feira a abertura da primeira feira comercial internacional de transgênicos da Tailândia, instalando 60 falsas bombas-relógios de arroz no centro de convenções onde se realiza o encontro das empresas de biotecnologia.

Um banner foi estendido no local com a mensagem: "Não bombardeiem nosso futuro, mantenham nosso arroz livre de transgênicos". O arroz transgênico tem causado grandes impactos no meio ambiente, por meio de contaminação, ameaçando a saúde financeira de agricultores tailandeses e da economia do país.

A convenção BioAsia 2007 promove o cultivo de transgênicos, com ênfase no arroz - um dos principais produtos de alimentação e exportação da região.

"O arroz é o alimento mais importante do Sudeste Asiático e sua versão transgênica incensada por esta feira é uma bomba-relógio que sabotará a sustentabilidade do alimento básico de bilhões de pessoas. A introdução do arroz transgênico no Sudeste Asiático destruirá o futuro agrícola da região. A Tailândia é e deveria manter-se livre de transgênicos", afirma Natwipha Ewasakul, da campanha de Engenharia Genética do Greenpeace na Tailândia.

O Greenpeace lançou esta semana um relatório que revela a extensão dos prejuízos causados pela contaminação em 2006 dos estoques americanos de arroz por uma variedade transgênica produzida pela Bayer.

Segundo cálculos do documento, essa contaminação - que afetou os estoques mundiais de arroz - causou um rombo de mais de US$ 1 bilhão nas contas de agricultores, processadores, moedores e empresas exportadoras de mais de 30 países. Além disso, o mercado internacional fechou as portas ao produto americano.

Confira aqui o sumário executivo do relatório (arquivo em PDF para baixar).

O Greenpeace defende uma produção de alimentos fundamentada nos princípios da sustentabilidade, proteção da biodiversidade e garantia de acesso de toda a população a uma comida segura e nutritiva. A engenharia genética é uma tecnologia desnecessária e indesejada que contamina o meio ambiente, ameaça a biodiversidade e oferece riscos inaceitáveis à saúde.

Leia também

:

França diz não aos transgênicos.