Por uma São Paulo feita para pessoas

Notícia - 6 - ago - 2015
Junte-se a nós na corrida e caminhada pela preservação do Parque dos Búfalos, no Jardim Apura, São Paulo, realizada neste domingo, dia 09

(Divulgação)

O Parque dos Búfalos, envolto por muros grafitados e repleto de trilhas, guarda resquícios de Mata Atlântica e ao menos oito  nascentes de água. O terreno, entre os bairros do Jardim Apura e Santa Amélia, na zona sul de São Paulo, foi nomeado parque pela população de seu entorno por ser uma área verde em meio à poluída represa Billings, além de ponto de encontro e lazer de moradores que carecem de serviços culturais e recreativos.

Em 2012, a área pertencente ao parque foi declarada de utilidade pública. Porém, no ano seguinte, o prefeito Fernando Haddad revogou a lei para levar adiante a construção de 3.800 moradias populares no local. Desde então, há um movimento que luta para que essas moradias sejam transferidas para outro local, e para que o parque seja preservado e reconhecido como tal.

A urbanização e outras atividade humanas, se feitas em locais inadequados, podem  prejudicar os mananciais. A construção de moradias no Parque dos Búfalos, à beira da represa Billings, causará desmatamento, impermeabilização do solo e assoreamento de nascentes, gerando impacto na qualidade e quantidade de água que essas nascentes produzem Em plena crise hídrica, essas questões devem ser mais relevantes do que nunca para que decisões sejam tomadas.

Não há escolha a ser feita entre moradia e meio ambiente, porque os dois são direitos humanos que devem ter prioridade conjunta. A área de um parque com nascentes ao redor de um manancial poluído deve ser resguardada para a função que ela já exerce: espaço cultural e área preservada. A falta de água e impossibilidade de recuperação de mananciais poluídos é consequência do descaso com nascentes e florestas – ingredientes essenciais para garantir o abastecimento de água. Sem floresta não tem água.

Tão importante quanto, as moradias populares devem estar em locais com acesso a serviços sociais, transporte e emprego, sendo igualmente priorizadas pelo poder público. É importante destacar que, em São Paulo, existem outras áreas mais adequadas para a construção de moradias populares, sem mencionar o fato de São Paulo possuir imóveis vazios que poderiam abrigar parte da população sem  moradia, por meio de políticas públicas adequadas.

Apenas com esses dois direitos garantidos, as cidades serão feitas de fato para pessoas. Não devemos optar entre direitos ambientais e sociais, pois o detrimento  de um leva ao prejuízo de outro. Devemos e podemos escolher moradia e meio ambiente.

Faça parte dessa mudança, assine a petição pela permanência do Parque dos Búfalos.    Saiba mais aqui.