Dilma e Merkel: o que esperar deste encontro

1 comentário
Notícia - 13 - ago - 2015
Na próxima semana, a presidenta brasileira e a chanceler alemã se encontram em reunião bilateral. Florestas, investimentos em energia e a Conferência do Clima são temas que devem ser abordados.

(©creative commons)

 

Desafetos no futebol, mas parceiros históricos em relação ao meio ambiente. A cooperação na área ambiental se consolidou no início dos anos 90 com a criação do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais (PPG7), que se destinava ao desenvolvimento e criação de áreas protegidas no Brasil. A Alemanha teve destaque como o principal parceiro e investidor do Programa, além de ter contribuído para outras iniciativas como o Fundo Amazônia.

Nesta antiga relação, não foi apenas a Amazônia que recebeu investimentos. Também foram feitas parcerias nas áreas de energias renováveis, como a solar, e em energia nuclear. A contradição é que enquanto o potencial de Sol é elevadíssimo no Brasil e pouco aproveitado, a Alemanha que possui menos irradiação tem quase 10% de sua população se beneficiando da energia solar.

De olho na Conferência do Clima, a COP21, que acontece no final do ano em Paris, na França, e na qual espera-se que mais de 190 países assinem um acordo para redução da emissão de gases de efeito estufa, é fundamental acompanhar o que acontece com o desmatamento e a Amazônia.

Nas negociações internacionais, o Brasil é tido como um excelente cumpridor de suas obrigações e o governo federal faz questão de ressaltar os números de queda do desmatamento no País e, consequentemente, a queda das emissões. No entanto, o governo Dilma é um dos que menos demarcou Unidades de Conservação e Terras Indígenas, uma das melhores formas de combater o desmatamento. Para se ter uma ideia, nos últimos cinco anos Dilma criou apenas 1% do total das Unidades de Conservação existentes.

Além disso, o controle da extração de madeira da Amazônia na forma como é feito hoje funciona apenas para legalizar madeira ilegal. Órgãos oficiais do próprio governo definem que ilegalidade do setor chega a mais de 50% do volume extraído. O atual cenário coloca em risco os esforços realizados pelos programas de cooperação entre Brasil e Alemanha e muitas das áreas protegidas demarcadas com apoio do PPG7.

Um aporte de novos investimentos no Brasil por parte da chanceler alemã seria bem-vindo e Merkel poderia reiterar o apoio do governo alemão em relação à proteção das florestas e à adoção de metas mais ambiciosas para combater as mudanças climáticas visto que a Alemanha é um dos grandes financiadores do esforço global para a conservação de florestas tropicais. 

1 comentário Adicionar comentário

(Não registado) Manuel says:

Ignorar o desmatamento, pra mim, é o mesmo de ignorar a estiagem e a crise hídrica. Mais uma vez, nosso governo se mostra imediatista e sem ...

Enviado 19 - ago - 2015 às 17:08 Denunciar abuso Reply

Read More Read Less

Postar um comentário 

Para postar um comentário, você precisa estar logado.