© Greenpeace / Vinai Dithajohn 

Jovens ambientalistas que estiverem em Salvador amanhã poderão participar de um encontro inédito. Ute Koczy, deputada do Partido Verde Alemão no Parlamento Nacional e porta-voz do partido para assuntos relacionados à política de desenvolvimento, está no Brasil para conhecer os detalhes e os efeitos socioambientais do programa nuclear brasileiro. André Amaral, coordenador da campanha contra energia nuclear do Greenpeace, também estará presente. 

Para Koczy, questões cruciais sobre a segurança do projeto de Angra 3, por exemplo, não foram respondidas, além de permanecer em aberto a definição sobre o local de armazenamento dos resíduos tóxicos. Para completar, ela aponta os altíssimos custos que envolvem o programa nuclear brasileiro e em especial a construção da usina. 

Na opinião da deputada, diante deste cenário fica a dúvida se realmente a cooperação alemã no projeto brasileiro deveria ser providenciada. “Para a Alemanha é uma contradição interromper a produção de energia atômica em seu território, por um lado, e, por outro, cooperar com a construção de uma usina nuclear em Angra dos Reis.” 

O que: Reunião com Ute Koczy, deputada do Partido Verde Alemão 

Quando: Sexta, dia 27 de agosto de 2010 

Horário: 18h 

Onde: Rua do Carro, n.º 136, ed. João Mangabeira, Campo da Polvora Salvador / Bahia / Brasil 

Como aponta Koczy, “alguns governos e corporações transnacionais acreditam no chamado renascimento nuclear. Nós acreditamos que este é o caminho errado a ser traçado. Energia atômica envolve riscos muito altos: nenhum país encontrou até hoje uma solução definitiva para seu lixo, que continua a emitir radioatividade por milhares de anos. Energia nuclear é também uma energia cara, que requer altos investimentos e enormes quantidades de água, além de precisar ser transportada por longas distâncias.”